segunda-feira, 7 de junho de 2010

Lene Lovich "It's You, Only You (Mein Schmerz)"

Lene Lovich é na minha opinião, uma das cantoras mais relevantes do new wave dos anos 70 e 80. Uma voz perfeita e espantosa!
Lili-Marlene Premilovich nasceu em Detroit, EUA, em 1949, indo aos 13 anos viver para Inglaterra com os seus irmãos, devido a problemas de saúde do seu Pai, sendo este inglês. Lovich conhece Les Chappell (compositor e guitarrista), ainda adolescente, que a ajudou a iniciar o seu projecto musical (que também fazia parte), e com quem se casou. Ambos fora para Londres em 1968 e onde Lovich frequentou diversas escolas de arte. Chegou a trabalhar em cabarets como dançarina de música oriental, participou em vários grupos de teatro e outros inúmeros trabalhos ligados à arte. Foi também uma das milhares participantes a cantar em 1972 no palco de Lanchester Arts Festival de Locarno, no Ballroom, em Coventry, o tema "My Ding-a-Ling" de Chuck Berry. Em 1975 forma a banda - The Diversions – com influências funk, chegando a lançar 5 singles e um álbum pela Polydor Records, mas sem qualquer sucesso.
Devido a andar sempre de tranças, tornou-se a sua imagem de marca.
Em 1978, Lovich e o DJ Charlie Gillett, apresentaram o tema "I Think We're Alone Now", uma versão de Tommy James and the Shondells, para o patrão (Dave Robinson), da Stiff Records. Robinson propôs de imediato lançar o single, mas na condição de produzirem a curto prazo outro tema como lado B. Com ajuda de Chappell, mostram o single “Lucky Number” que passa a lado A e que se torna, num verdadeiro hit no Reino Unido. Robinson convida Lovich para participar no Be Stiff Route 78 Tour em 1978, dando origem ao lançamento do seu primeiro álbum – Stateless – que continha o single “Lucky Number” e ainda o famoso tema "Say When". O estilo de música de Lovich foi descrito como ser uma combinação do punk rock contemporâneo e o new wave. Ainda chegou a gravar pela Stiff Records, os álbuns “Flex” (1979), “No Man’s Land” (1982), e ainda o EP “New Toy”.

Lovich, Chappell, Chris Judge Smith, realizada por Mata Hari, escreveram uma peça de teatro/musical no Lyric Hammersmith, Londres, em Outubro/Novembro de 1982. Foi também nessa altura que a cantora começava a entrar em conflitos com a Stiff Records. Dado ao sucesso do espectáculo, a EMI convenceu a Stiff a promover o álbum “No Man’s Land”. Após a saída da Stiff, Lovich grava o tema "Don't Kill The Animals" com a alemã Nina Hagen.
Após alguns anos de pausa devido à sua dedicação familiar, regressa em 1989 com o disco “March”, que conseguiu apenas um sucesso moderado e graças ao tema “Wonderland”.
Em 91, Lovich contribui para ópera The Fall of the House of Usher de Peter Hammill e Judge Smith, cantando a parte de Madeline Usher.
Só em 2006 regressa com o álbum “Shadows and Dust”, pelo Stereo Society. Foi também nesse ano que toca com a sua banda inicial, no Drop Dead Festival, que também passou por Portugal em Outubro de 2008, depois de uma passagem no ano de 1980 em Cascais e no Porto.

Recordo um dos temas marcantes para mim - "It's You, Only You (Mein Schmerz)" – do álbum “No Man’s Land” de 82.


4 comentários:

Manuela Coelho disse...

Lene Lovich, traz-me à memória muito boas recordações.

bj

Luis Baptista disse...

Uma diva, sim senhor.

Paulo Assim disse...

Lene Lovich é na minha opinião, uma das cantoras mais relevantes do new wave dos anos 70 e 80. Uma voz perfeita e espantosa!

Está tudo dito.
:)

Spark disse...

;)