segunda-feira, 7 de setembro de 2009

The Pogues “Streams of Whiskey”

Há muito que tenho um grande fascínio pelos The Pogues.
A sonoridade peculiar e o espírito irlandês, são elementos que caracterizam esta banda.
Após ter fundado os The Nipple Erectors (The Nips) em 1977, em que predominava sobretudo o Punk, o inglês Shane MacGowan, resolve em 1982 seguir por um caminho diferente.
A fusão do folk irlandês com o punk, foi um factor essencial na identodade dos The Pogues. Com o auxílio de James Fearnley, Spider Stacy, Jeremy 'Jem' Finer, Andrew Ranken, Phil Chevron e Cait O'Riordan, começaram por tocar canções tradicionais irlandesas nas ruas de Londres.
MacGowan compõe então a primeira música da banda intitulada “Streams of Whiskey”.

Em 84 lançam o seu primeiro registo discográfico intitulado “Red Roses for Me”, o nome de uma música da mítica banda irlandesa The Dubliners.
Phil Chevron junta-se ao grupo e em 85 lançam “Rum, Sodomy & The Lash”, uma expressão muitas vezes referida por Winston Churchill.
Produzido por Elvis Costello, o álbum foi considerado por muitos o melhor dos The Pogues, sendo também considerado pela a revista Rolling Stone um dos 500 melhores álbuns de sempre. Cait O’Riordan abandona a banda em 86, casando em seguida com Elvis Costello.
“If I Should Fall from Grace with God” em 87 é marcado com a entrada de mais dois elementos, Terry Woods e Darryl Hunt. Trata-se de um álbum mais comercial responsável pela merecida projecção da banda. Músicas como "If I Should Fall from Grace with God"; a mítica "Fairytale of New York" (onde à voz de MacGowan se junta a da já falecida Kirsty MacColl); "Turkish Song Of The Damned” e "Lullaby of London", foram os principais êxitos que os catapultaram para o 3º lugar da tabela do Reino Unido.
Em 89 lançam “Peace and Love” e em 90 “Hell’s Ditch”, produzido por Joe Strummer (The Clash), que também se junta ao grupo em substituição de Shane MacGowan nos concertos.
Em 91 MacGowan é convidado a sair, devido aos seus problemas sistemáticos com o álcool. Assim em 93, Spider Stacy surge como vocalista e lançam “Waiting for Herb”, considerado o álbum mais fraco da banda, tendo como principal Hit a célebre "Tuesday Morning”.
Em 96 lançam aquele que foi o último álbum de originais dos The Pogues - “Pogue Mahone.”

Em 1994 MacGowan junta-se aos The Popes e lançam os álbuns “The Snake” e “The Crock of Gold” em 1997, contudo, em 2001 regressa aos The Pogues, tendo feito desde aí, inúmeros concertos.
Não existem para já previsões de uma visita a Portugal, porém alimento a esperança que esta se torne possível.

Fiquem então com o clássico “Streams of Whiskey” do primeiro registo “Rum, Sodomy & The Lash” de 85.

9 comentários:

sonjita disse...

Tem um ritmo realmente animado e dançante ;)

BJKa

André Leão disse...

Foste ver The Men They Couldn´t Hang?

paletadesonhos disse...

bom ritmo para a gaita de foles, parece ... e para um bom fim de tarde ... very Irish ( well done, the a
presentation)
... e o mocinho fica muito bem em calções ... ;)

Spark disse...

Sonjita:

Os The Pogues têm sem dúvida essa particularidade. :)

BJ

André:

Tiveram na Festa do Avante n foi?
No teu blog sabia que iriam estar cá no sábado, mas nunca mais me lembrei. :(
Foste?

Paleta:

Algumas músicas são demasiado ritmadas para a Gaita de Fole, mas como é dentro desse ambiente...
Enquanto aos calções, n comento. :P

Bj ;)

Jorge Costa disse...

já tinha saudades de os ouvir

André Leão disse...

Fui, pois. Já lá está um vídeo de 1 minuto... :)

Gisele Freire disse...

Nossa Spark!
Quanto tempo eu não ouvia esses caras, eles são ótimos, conheço o som dos The pogues mais ou menos 20 anos, tô mesmo ficando velha rs;)
Abraço my friend!
GI

Luis Baptista disse...

Esses senhores faziam grandes musicas acompanhadas de muito alcool e não só, Shane é um apeça de museu..., Abraço.

Spark disse...

Acho que sem álcool a qualidade das musicas n seria a mesma. ;)

Abraço