segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Joe Strummer “A Alma dos The Clash” DVD

Foi uma das prendas que recebi este natal e que foi sem dúvida uma pérola.
Posso dizer que foi um dos melhores documentários sobre musica que já vi e não podia esperar outra coisa de Julien Temple. Já tinha feito o documentário “Filth and The Fury” dos Sex Pistols onde teve críticas muito positivas e agora com “Joe Strummer: The future is Unwritten” que alem de uma merecida homenagem a Strummer, ganhou também o prémio de melhor documentário pelo o British Independent Film Awards.

É basicamente a historia de Strummer fora e dentro dos The Clash com varias declarações de estrelas como o Bono; o guitarrista dos Clash, Mick Jones, onde Strummer teve sempre uma relação amor/ódio; o baterista Topper Headon; Steve Jones; Flea e Anthony Kiedis dos Red Hot Chilli Peppers; Steve Buscemi; Matt Dillon; Johnny Depp; Don Letts (o DJ que fez a ponte entre o reggae e o punk) e Bobby Gillespie dos Primal Scream; Martin Scorsese. Todos eles grandes admiradores dos The Clash e Joe Strummer.

Um DVD bastante completo com imagens excelentes que mostra o início da carreira musical em bandas com os The Vultures e 101´ers onde começava o inicio do movimento punk.
Fala também da sua veia poética e dos ideais políticos.

The Clash o ponto fundamental da historia onde o epicentro das letras das musicas de Strummer era sobretudo politicas e sociais, desemprego, as condições precárias dos emigrantes em Inglaterra…
Os álbuns, o fim dos The Clash, depois dos The Clash e a dolorosa perda de um dinossauro do Rock.

“espero que vejam o filme e aprendam o motivo por detrás da atitude” Julien Temple.

Recomendo.

Trailer:

video

"London Calling" Video

video

13 comentários:

Ritinha disse...

Estou a ver que o teu Pai Natal tem de começar a picar o ponto no meu bairro...

Bela prendusca ó Spark! Tenho de ver se oriento uma visualização dessa bela cena um destes dias.

Spark disse...

;)

O Pai Natal este ano por acaso foi generoso, já não podia com tanto chocolate e meias nestes últimos anos.

Enquanto ao documentário vale a pena Rita, depois posso mandar-te chegar para dares uma vista de olhos.

Bj

Ritinha disse...

Chocolate nunca se nega, meias dão sempre jeito, e dar uma vista de olhos a isso não coisa a que me negasse =).

Bjinhos*

RMJ disse...

eheh
tb tenho, está muito bem feito! mas tb n é dificil, a história desse senhor é interessante contada de que forma for..!

Spark disse...

Epa, quantas caixas de chocolates queres??

Faço então questão de veres o filme, depois falamos. Ah e se quiseres posso te mandar umas caixas de chocolates também. ;)

Ritinha disse...

Ui! O que me ofertas tu Jedi Spark! Deixa-me cá enviar um certo endereço pelo gmail... =D

Spark disse...

Boas, mais uma Rita!!! ;)

Concordo contigo RMJ! Era essencial para mim ter este DVD, já que cresci a ouvir The Clash e também sempre tive uma grande admiração por Strummer...

Luis Baptista disse...

E eu que não vi Clash, não sei h`quantos anos, porque no dia a seguir tinha uma excursão para o Gerês, quase hà 30 anos, senão me engano. Grande banda, multifacetada, mas sempre com uma essência pura nos seus intentos.

Ritinha disse...

Oh Luís Baptista, desculpa lá o abuso de me meter contigo... mas essa de escolheres uma excursão ao Gerês em vez dos Clash é tão ou mais surreal que a fauna do Parlamento Regional da Madeira!

Cumps.

roserouge disse...

Também acho, ó Luis Baptista...concordo com a Ritinha! Não sabes o concertão que perdeste! EU FUI!!! Ainda ali tenho o bilhete! Já não me lembro do ano, acho que foi em 79 ou 80, em Cascais, no Dramático! Vi lá grandes concertos! E os Status Quo? E os Pirates? E Ian Dury? Aaaaaaaaahhhhhhhh!!!!! Até Supertramp, eu vi. Olha, e foi bem giro também!

Luis Baptista disse...

Sabem ,na altura, nãio dava para tudo, as mesadas tinham que ser geridas e a excursão era da escola e já estava agendada hà algum tempo e depois havia a questão dos horários, era um pouco confuso, mas na essência têm razão, foi um grande concerto,mas Roserouge, não achas algo foleiro essas bandas que referiste a seguir ( Supertramp e Status Quo) ?

roserouge disse...

Não te esqueças que nessa altura havia um concerto lá de quando em quando. Não era nada como é hoje em dia, uns a seguir aos outros, não há orçamento que aguente. A malta ia sempre ver mesmo que não fosse grande coisa. É claro que hoje em dia já não oiço Supertramp, mas por acaso neste concerto não comprei bilhete, entrei pela porta do cavalo, tinha lá um colega do ISLA que trabalhava na organização e entrava na boa. O Dramático estava à pinha e o concerto até foi muito bom. Mas Status Quo foi excelente! Uma rockalhada da melhor! Oh, yeah!

Luis Baptista disse...

Ok, o pessoal perdoa ...