quarta-feira, 19 de maio de 2010

Johnny Cash em Banda Desenhada

Foi lançada recentemente pelo alemão Reinhard Kleist, a biografia de Johnny Cash em banda desenhada. “Johnny Cash: I See a Darkness” é um excelente trabalho, tendo sido inclusivamente, já premiado. O livro de Kleist ilustra praticamente a vida de Cash desde a sua infância, passando pelo famoso concerto no Folsom Prison, até às últimas sessões de gravação com o produtor americano Rick Rubin.
“O meu Pai tinha um disco de Cash e lembro-me de ver uma fotografia dele lá por casa todo vestido de preto e pensei que deveria ser um tipo porreiro.”
- afirmou Kleist - “A primeira vez que comecei a ouvir com mais atenção a sua discografia, foi quando saiu o American Recordings. Antes disso, conhecia apenas algumas músicas como "Ring of Fire" e "A Boy Named Sue", e ainda outras que se ouviam na rádio, mas fiquei realmente impressionado, com os álbuns American Recordings, pois eram de uma enorme intensidade.”

Kleist afirmou ainda que o livro surgiu no seio de uma discussão com a editora alemã Carlsen Verlag, sobre representações de música ao vivo em banda desenhada. Deparou-se, posteriormente, com a biografia de Cash, mas antes porém um amigo tinha-lhe facultado o livro da biografia do alemão Franz Beast Dobler - “The Beast in Me” –, não era porém, exactamente, aquilo que procurava. Por conseguinte, foi sobre a vida de Cash que resolveu trabalhar, tendo ficado plenamente satisfeito com a sua escolha.
O autor indicou ainda que foi bastante emocionante ter feito referência ao mítico concerto no Folsom Prison onde se destaca Glen Sherley, pois não este era uma mera uma personagem. O prisioneiro reflecte uma verdadeira preocupação com a liberdade, mostrando não só uma vontade de se libertar da prisão física que o isola, mas do próprio cativeiro que construiu em torno de si mesmo e em relação aos outros - luta que Johnny Cash também travou toda a vida e em que por vezes não foi muito bem sucedido.

São assim imagens expressivas e com uma dinâmica cinematográfica, através das quais Kleist narra os altos e baixos do Man in Black, os seus sucessos e os fracassos provocados pelo consumo excessivo de drogas e álcool. Mas é justamente esta complexidade que caracteriza a personalidade de Johnny Cash, pois esta deu-lhe a energia para se insurgir contra a política dos EUA e para lutar pelos direitos dos excluídos.

Este é para mim um dos livros de banda desenhada do ano. Recomendo!

Editora: Self Made Hero, 21.43€

(Podem também encontrar este artigo no marsupial nº 01)

2 comentários:

Manuela Coelho disse...

Belo artigo, sim senhor:)
Quando sai o marsupial nº 01?

Beijinho

Spark disse...

Obrigado Manuela :)

Tudo indica que seja para semana, mas depois eu comunico. ;)

BJ